Panela na Liberdade

E vamos dar sequência às paneladas em terras brazucas?

Pois ( como diz Limão no lugar de então hihihi) tiramos dois dias para dar uma passeada em São Paulo, já que meu companheiro de viagens e da vida só conhecia o aeroporto da cidade.

Eu conhecia até então apenas o bairro de Santana onde fiz um workshop para a firma na qual eu trabalhava na época e fiquei hospedada num motel( sim, esse mesmo onde as pessoas “coisam”) e não dormi por duas noites por conta da animação do pessoal. * pausa para vocês rirem*

Mas o quê um alemão e uma carioca fluminense expatriada poderiam fazer numa metrópole com tanta coisa pra fazer como São Paulo?!

Ir pro bairro da Liberdade, claro!

Aí realmente misturamos tudo numa viagem só e deu muito certo. Olha só! Sendo uma das maiores atrações do centro de São Paulo, o bairro da Liberdade nasceu em 1905, mas foi no ano de 1912 que os imigrantes japoneses começaram a alugar porões na rua Conde de Sarzedas, pois o aluguel dos mesmos era muito mais barato por conta da localização e da ladeira íngreme que caracterizava o local.

Nesses quartinhos no subsolo moravam pequenos grupos de imigrantes e para essas pessoas, aquele espacinho na cidade significava a esperança de dias melhores e mais chances de trabalho por conta da proximidade com o centro. Será que foi daí que veio o famoso nome?

Na década de sessenta o bairro passou a ser procurado também por chineses e coreanos, deixando de ser chamado de ” bairro japonês” e passando a ser conhecido como ” o reduto oriental de São Paulo”.

Além de lojas, restaurantes e mercados com produtos e comida típicos da Ásia, o bairro começou a oferecer outros atrativos como festivais de danças folclóricas, cinemas especializados, visita de cantores japoneses.

As características orientais que podem ser vistas hoje em dia e que realmente fazem a mágica do bairro acontecer vieram apenas em 1974 quando o presidente da associação de lojistas da Liberdade, Tsuyoshi Mizumoto, buscou com todos os comerciantes da época a implantação da estética e escrita nipônicas em seus estabelecimentos.

A sensação é de que você realmente está em algum lugar do Japão enquanto anda por aquelas ruas.

São as pessoas, os produtos, as curiosidades, os aromas e a escrita predominante em qualquer estabelecimento, fosse ele local ou não, pois até os letreiros do bancos estavam em grafia japonesa ( a maioria em Hiragana).

Pra quem gosta da cultura asiática em geral é mais que um passeio e sim uma chance de vivenciar um pouquinho desse continente tão interessante um pouco de perto. Você pode adquirir produtos que realmente são consumidos do outro lado do mundo, comprar livros, provar as iguarias mais inacreditáveis e interagir com o pessoal do bairro, principalmente os donos de lojas  mais antigos, que como todo asiático são ótimos anfitriões, desde que você não fotografe dentro dos estabelecimentos.

Nos mercados, lojinhas e até mesmo na galeria com camelôs na rua Galvao Bueno, nenhum comerciante permitiu o uso de câmeras. então, uma vez lá, é só ter um pouquinho de cuidado com isso.

Falando em comida, foi muito barato comermos ( e muito) em São Paulo. Tomávamos sempre café no hotel, mas caso desse fome, as lanchonetes na Liberdade são relativamente baratas, mas ainda mais em conta são os restaurantes da Sé.

Com alguns minutos de caminhada dá pra achar bons restaurantes à quilo ou até mesmo tipo prato feito com um preço bem legal.

Já pra jantar, não deu pra resistir à variedade de casas orientais e suas diversas atracões.

Casas de sopa,lámen, yakissoba, rodízios de Missoshiro ( sopa tradicional japonesa) e claro o amado sushi. Escolhemos o restaurante Okinawa e pagamos cinquenta reais por um rodízio All you can eat e realmente tinha de tudo pra comer: sushi,sashimi, hot rolls, iguarias com polvo e lula, além de diversos pratos quentes e saladas.

Comer à vontade por esse preço no centro de Sampa, gente, é uma pechincha! Eu comi umas três vezes, devia ter comida mais! #choray

O dono do restaurante é um senhor bem velhinho, mas muito gentil e que fica na porta convidando os passantes para entrar e conhecer o lugar.

Ele oferece sopa missô, chá verde ou de jasmim e gelatina de graça e à vontade para os clientes, além de ter um sorrisinho muito fofo.

Comemos muito( muito mesmo), fomos tão bem atendidos e nos divertimos tanto assistindo o canal japonês no restaurante que a experiência acabou se tornando um ponto alto dessa visita relâmpago à maior colônia japonesa fora do Japão.

O outro ponto alto e marcante foram as compras, mas como essa parte necessita de alguns detalhes eu vou ficando por aqui e deixando vocês curiosos.

Mas logo tô de volta pra mostrar pra vocês meus tesouros descobertos nesse universo paralelo no meio de São Paulo, chamado Liberdade!

Matane! Até mais! ❤     liberdade blog 2 liberdade blog 1 liberdade blog 3 liberdade4 liberdade8 liberdade9 liberdade10 librdade 6 liberdade 7 liberdade5 liberdade 11 liberdade7

Anúncios

14 comentários sobre “Panela na Liberdade

  1. mulhervitrola 27 de novembro de 2014 / 0:29

    Mooorro de vontade de ir lá, preciso me organizar pra ir! Já programei duas vezes e acabou que não pude ir, haha! Tão lindo! E como sempre, tuas fotos maraBilhosas! Vou salvar essas dicas pra quando eu for pra não ficar perdidona, confio nas tuas sugestões, hehe.

    Um beijo,
    Re

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:18

      Re, quando puder vá sim!
      Tenho certeza que você vai amar e fica doida com as coisinhas de lá!
      Pode confiar que aqui o babado é certo! hahahahaha
      Um beijo grandão! ❤

      Curtir

  2. Didi Brandão 27 de novembro de 2014 / 0:30

    Nossa!Vou guardar o nome desse restaurante,pra janeiro quando eu e o Victor formos lá!!!!

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:19

      Vá lá sim, amora!
      E comam tudo por mim mais de uma vez! Ai, que saudade! ❤

      Curtir

  3. Silvia Lira 27 de novembro de 2014 / 1:18

    Eu nunca fui lah mas agora me deu até vontade. Tinha uma ideia de uma coisa meio caótica…
    Adorei as fotos!
    Beijuuuuu!!!

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:20

      Eu também achei que seria muito tumultuado, mas é bem tranquilo de verdade!
      Tem aqula ordem e paz bem oriental mesmo! ^^
      Tenso é a 25 de março, se puder evite! hahahahaha
      Beijos

      Curtir

  4. byad 27 de novembro de 2014 / 1:51

    Ameeei! Dá até uma emoçãozinha quando alguém fala bonito assim da Liberdade ❤ Ah, já falei que moro lá né? haha AMO demais esse pedacinho de SP, mesmo depois de tantos anos, sempre paro pra olhar tudo, cada lojinha, aprecio todos os detalhes, é uma ternura. E olha só, aprendi coisa nova! Não sabia que o bairro tinha se iniciado da Rua Conde de Sarzedas 😮 (e eu moro nessa rua………….) hahaha
    Beijos!

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:21

      Já falou sim e eu fiquei querendo trocar de casa com você! *-*
      Com certeza vou voltar pra visitar a Liberdade, aí vou aproveitar e me convidar pra te ver também!

      Beijos

      Curtir

  5. Carol 27 de novembro de 2014 / 2:19

    Nossa! As fotos ficaram lindas!!!! Parabéns!!!!

    Os grafites estão lindos! Quando eu fui tinha um bem interessante dos Gêmeos … Mas não eram com a temática do Japão… Agora está beeem mais bonito!

    Comeu doce de feijão? Tomou picolé de melão? Não tive coragem!

    Bjus!

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:23

      Brigadão, Caró! xD
      Fico feliz pra caramba!
      Nao comi doce de feijão, nem o picolé!
      O doce porque nao tive coragem mesmo e o picolé porque tava meio frio! Hahahahahah
      Mas na próxima eu vou, com certeza! Eu acho! Hahahahah

      beijos

      Curtir

  6. Ana Schuller 27 de novembro de 2014 / 12:02

    Eu já passei por lá e achei o maior barato, só que não curti horrores como vocês! Pamzinha, as fotos estão muito show! Ain que orgulho!!!! ❤

    Curtir

    • pammiksch 27 de novembro de 2014 / 20:42

      Aninha, acho que além de ser um lugar legal, nós gostamos muito porque até então nao tínhamos feito nada no Brasil e foi muito bom viajar por lá de novo e conhecer essas coisinhas novas!
      Eu que fico muito feliz por todo seu apoio e suas dicas, que me ajudaram e têm me ajudado e conseguir fazer uma apresentação melhor das minhas fotos!
      Eu queria mesmo era compartilhar coisas com uma qualidade melhor e acho que tô conseguinho, mas ainda tenho muito que aprender!
      Quero mais aula particular! xD
      Te adoro, coração!

      Curtir

  7. Lua Virada 28 de novembro de 2014 / 20:42

    Ahhh que saudade que me deu da Liberdade!! ❤

    Eu não sou assim uma dessas pessoas que pode ser chamada de "fã" de cultura oriental, mas eu gosto de tudo que é diferente e eu sou uma amante da boa mesa (que forma bonita de dizer glutona, né? Hahaha!) então sempre que estive em Sampa, a Liberdade entrava no meu roteiro…

    Beijos,
    Lidia.

    Curtir

    • pammiksch 30 de novembro de 2014 / 21:23

      Eu achei São paulo um verdadeiro espetáculo com a variedade de opções pra comer com o bom atendimento nos restaurantes e lanchonetes!
      Me apaixonei pela cidade, de verdade!

      Beijos, Lua! ❤

      Curtir

Fala que eu te escuto ( e respondo também)!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s