Agridoce

No último sábado, Limão e eu fomos ao casamento de dois amigos muito queridos nossos.

Foi a primeira vez que eu fui a um casamento de alguém que já tenha passado pela mesma situação que nós.

Duas pessoas de nacionalidades diferentes, que tiveram que passar pelas mais duras e diversas provações até finalmente chegarem a este tão esperado dia.

A única diferença é que no caso dos nossos amigos, ao invés de um Limão, é uma Limoa, pois a noiva linda que é alemã e o noivo brasileiro ( um Banana, que por um acaso é o apelido dele ,hehehe).

Fiquei sem dúvidas muito emocionada pelos meus amigos, pois eu sei o quanto eles lutaram e esperaram por isso, mas também em grande parte por todas as lembranças que me atingiram ao ver aquele casal se unindo na minha frente.

As lágrimas, os sorrisos, as lembranças deles compartilhadas com todos, foi impossível não me indentificar 100 %  naquele momento.

Qualquer casal que tenha ou teve um relacionamento à distância sabe muito bem o que significa não só poder se casar, mas finalmente poder ficar junto, não ter mais uma data pra se despedir de quem se esperou tanto pra reencontrar.

Eu me lembro dessa montanha-russa de sentimentos todas as vezes que me flagro em casa com o Limão, recordando de todos os altos e baixos que passamos até aqui.

Das inúmeras mensagens de ” saudade”, ” queria que você estivesse aqui”, das conversas que duravam horas no skype ou telefone, dos cartões postais, dos presentes que demoravam meses pra chegar, dos planos , da taquicardia às vesperas das viagens e principalmente da sensação de alívio que vinha quando finalmente nos reencontrávamos.

Essa era a parte doce.

Não importava quanto tempo fosse durar aquele período, mas essa sensação de aconchego, de segurança, quase de sobrevivência por termos aguentado tanto tempo separados, era o nosso combustível que usávamos para encarar a fase seguinte.

A despedida era sempre muito cruel, era um suspense que durava às vezes semanas e eu me lembro que em muitas delas eu só queria que ele simplesmente fosse logo, que chegássemos no aeroporto e ele simplesmente embarcasse, sem dizer ou fazer nada, que só fosse e me livrasse daquela sensação horrível de incerteza.

Essa incerteza, a insegurança, as dúvidas, essas eram a parte azeda e quase amarga de tudo.

Depois de algum tempo junto, mesmo que seja pouco, é extremamente difícil se desacostumar com a presença física e o convívio de quem você queria estar sempre junto.

Na verdade, nunca parecia que ele um dia sequer não tivesse estado  ali, essa é a verdade e por isso doía tanto.

E quando você se vê longe novamente, o processo de se fortalecer para mais um período indefinido de separação, às vezes traz muita insegurança, desconfiança e muitas vezes até um sentimento de que tudo aquilo não vai dar certo, porque parece que nenhum dos dois vai aguentar mais por muito tempo.

Hoje, depois de ter tido o privilégio de participar desse momento maravilhoso com nossos amigos, Limão e eu conversamos e chegamos a mesma conclusão: Faríamos tudo de novo!

Não importa tudo o que nós passamos, ou nossos amigos, ou você que se vê na mesma situação agora e também se pergunta se tudo vai dar certo.

Apenas acredite no que você está vivendo, aproveitando cada fase, aprendendo com cada tropeço, cada diferença cultural ou pessoal. Afinal amar alguém significa não só sermos nós mesmos, como também deixar o outro ser e admirá-lo por isso, não é?

A vida em si é uma mistura de vários momentos agridoces, muitas vezes bem azeda, exigindo muito de nós e nos deixando com uma careta esquisita  e olhos lacrimejando diante de tudo.

Outras vezes porém bem açucarada, com surpresas doces e momentos mágicos, mas que em excesso nos deixariam fora da realidade, elétricos e despreparados para qualquer tipo de adversidade.

O que vai nos levar a uma vida feliz ( à dois ou sozinhos) é sabermos o quanto precisamos e quanto aprendemos com cada momento desse.

Hoje nós conseguimos o nosso primeiro objetivo, ficarmos juntos, sem despedidas, mas nem por isso os desafios deixaram de aparecer.

Continuamos dia a dia, aprendendo a lidar com o doce, o azedo, o diferente e equilibrando cada elemento para aproveitar a sorte que tivemos por nos encontrarmos nesse mundo tão grande.

Hoje eu ainda me despeço dele, mas meu coração não se assusta mais , porque sabe que no fim do dia ele vai voltar.

Se vale a pena possuir, vale a pena esperar!

Tenha fé, tenha paciência, tenha amor e tudo será possível!

Marlene e Juliano, obrigada por nos deixarem fazer parte da história de vocês e nos lembrarem através desse dia tão lindo da razão pela qual mundos tão diferentes são capazes de transformar duas pessoas em um único ser!

Estaremos sempre, sempre com vocês!

<3
Anúncios

19 comentários sobre “Agridoce

  1. Silvia Lira 4 de novembro de 2013 / 20:41

    Adorei o texto!! Mesmo não vivendo, exatamente, essa situação me identifiquei muito!!! Obrigada por me lembrar da parte doce da vida! 🙂

    Curtir

    • pammiksch 5 de novembro de 2013 / 14:29

      Brigada, Silivia!
      Eu sei que mesmo que você não viva algo assim, mas você se sensibiliza!
      Nós conversávamos tanto sobre os meus momentos agridoces, lembra?
      Brigada pela força de antes de agora também!
      Muitas saudades de você!
      Beijão

      Curtir

      • Silvia Lira 7 de novembro de 2013 / 16:10

        To indo pra Viena dia 20! Volto pro Brasil 6/12… Vai ser mais uma daquelas viagens que colocam pilha, achando q eu não vou, mas eu apareço!! heheheheheh
        Devo ficar em Viena, dar um pulo em Bratislava e Salzburg.
        Se estiver por perto grita!!!
        Beijuuuuu!!!

        Curtir

      • pammiksch 7 de novembro de 2013 / 17:04

        Ahhhhhhhhhhhhhhh!
        Bem que eu queria mesmo dar uns pulos lá em Viena!
        Só vai pra lá? Vai passar aqui dessa vez não?
        Se estiver por aqui grita também!
        Beijão

        Curtir

  2. Vânia 4 de novembro de 2013 / 21:57

    Que história linda! E que esse amor de mundos tão diferentes seja eterno.
    Beijos

    Curtir

    • pammiksch 5 de novembro de 2013 / 14:32

      Amém, Vânia!
      Que não só nós, mas muitos outros casais, que estejam na mesma situação ou mesmo os que estejam perto um do outro consigam a felicidade de estarem juntos!
      Quanto mais velha eu fico, mas eu acho que esse mundo precisa cada vez mais de amor! E muito!
      E nós vamos fazendo nossa parte!
      Beijão

      Curtir

  3. Ana 5 de novembro de 2013 / 1:54

    Morro, morro de amores pelos teus textos! Esse até parece que foi escrito pra mim, pois mais uma vez estou vivendo esse momento de estar longe do meu amor. Por motivos pessoais terei que ficar no Brasil um cadinho mais…o que nos deixa muito tristes, pois só estamos há 3 meses casados. Tem dias que o que mais quero é voltar pro meu Schapsi e não perder nada, nem um segundo sequer. Pam, adorei quando você escreveu: “hoje me despeço dele, mas meu coração não se assusta mais”…esse é o mesmo sentimento que tenho. Saber que já passamos por momentos bem mais difíceis e muito, muito tempo separados e ter a certeza de que a nossa história é linda e real (assim como a sua e do Limão e dos seus amigos) só me faz ficar fortalecida e motivada a esperar ansiosamente por mais um reencontro! Você sempre me deixa muito tocada!!!!! Já estou com os olhos cheios d’água! 🙂
    Beijo grande!
    Ana

    Curtir

    • pammiksch 5 de novembro de 2013 / 14:21

      Acho que amor e suas histórias, sempre mexem com as pessoas. Mas em casos como os nossos, só quem passou ou está numa situação dessas é que sabe o quanto a gente luta e se esforça pra lidar com isso!
      O que me alegra é saber que o meu exemplo, o seu e de muitos outros casais, servem de esperança e conforto para os que ainda vivem esse suspense que nós já tivemos que passar!
      Esse sentimento que você tem agora, eu também tenho, pois pretendo ir ao Brasil em breve e o Limão provavelmente não poderá ir.
      Enquanto ainda não tenho certeza se ele vai ou não, fica um bichinho me corroendo por dentro, sabe?
      Eu simplesmente não queria mais ter que ficar longe dele por razão alguma, mas também sei que tenho que ir pra casa ver minha família que tá precisando muito de mim.
      Você sabe que eu tenho sempre vocês no meu coração e nas minhas orações, e todo o bem que eu desejo e espero pra nossa casa eu peço em dobro pra vocês aí!
      Eu sempre mentalizo que num mundo tão grande eu e Limão nos encontramos e a vida se encarregou de nos dar forças pra ficarmos juntos e isso sempre me ajuda a encarar qualquer coisa, mesmo que às vezes ele me enlouqueça com a bagunça que ele faz em casa ! Hahahahaha
      Fica bem aí, viu?
      Vai dar tudo certo! Aliás, já deu certo!

      Muitos beijos e um abraço bem apertado, Tia Paulinha!

      Curtir

  4. Camila Oliveira 5 de novembro de 2013 / 12:12

    Você e esses seus textos ma-ra-vi-lho-sos né dona Pamela? Que lindo.
    Realmente ficar longe de quem a gente gosta não é uma tarefa nada fácil, eu tô passando por isso e tem sido uma tarefa difícil a cada dia que se passa, até porque não sabemos se vai dar ou não certo e se todo o sofrimento dessa distância valerá a pena no final quando tivermos a certeza de que vamos estar juntos.
    Obrigada por tocar com esse texto, por nos fazer refletir e lembrar que depois do azedo, sempre tem um mel bem doce para nos adoçar a vida e nos deixar com um sorriso largo invés das lágrimas de saudade. ♥

    Curtir

    • pammiksch 5 de novembro de 2013 / 14:25

      Awnnn Cá!
      Eu fico muito feliz que você tenha gostado e principalmente se identificado com o que eu escrevi!
      Mas olha, você tem o meu exemplo, tem o exemplo da Raísa, que essas situações podem e dão certo sim!
      Não é fácil, mas nenhum relacionamento é!
      Casais que não moram longe às vezes passam pelos mesmos problemas, digamos que no caso de um relacionamento à distância, a logística do casal é que fica um pouco atrapalhada porque não se tem a opção de simplesmente marcarem alguma coisa juntos.
      Mas olha, deu certo pra nós e vai dar certo pra vocês também!
      Como eu disse: Tenha fé, tenha amor e acredite no que você está vivendo hoje e se Deus quiser tudo vai dar certo!
      Te adoro, Cá!
      Beijos

      Curtir

  5. Lola Maria 5 de novembro de 2013 / 17:58

    Pam,
    Meu comentário será breve e simples:
    Chorei… Lindo e lindo e lindo
    Parabéns por dividir conosco estes pensamentos tão lindos que nos enchem o coração ainda mais de amor.
    Beijos
    Lola

    Curtir

    • pammiksch 5 de novembro de 2013 / 18:01

      Eu que agradeco Lola, por vocês separarem alguns minutinhos pra virem aqui e ler as coisas que saem do meu meu coração!
      Vocês são muito especiais pra mim!
      Muito obrigada!
      Beijos

      Curtir

  6. Eve 7 de novembro de 2013 / 12:57

    Que lindo! Que emocionante! Quanto amor, né? É tão bom saber que tudo o que fizemos valeu à pena.
    Parabéns e felicidades para os dois casais.
    bjs!

    Curtir

    • pammiksch 7 de novembro de 2013 / 14:13

      Valeu a pena mesmo, Eve!
      Antes eu buscava forças em pessoas que já tinham passado pela mesma situação, e você foi uma delas!
      Você não faz idéia do quanto eu aprendi com você e com as coisas que você já escreveu!
      Fico feliz e honrada de te ver aqui no meu bloguinho!
      Muito obrigada por tudo!
      Felicidades sempre pra você e pro marido!
      Beijão
      Beijão

      Curtir

  7. Ana Carolina 19 de outubro de 2014 / 0:03

    Que lindo o texto! Lendo me identifiquei muito com o que vc escreveu. Vivo a mesma situação de ainda ter que me despedir, mas tenho certeza que um dia vou olhar para trás e ver que valeu muito a pena.
    Beijos 🙂

    Curtir

    • pammiksch 19 de outubro de 2014 / 13:51

      Oi Ana!
      Fico feliz que você tenha gostado do post!
      espero que ele possa te dar um pouquinho de força para continuar enfrentando essa situaçao, que eu sei muito bem como é!
      Mas vai valer muito a pena, pode ter certeza!
      Um beijo pra você! ❤

      Curtir

  8. cândida 3 de março de 2015 / 21:24

    Também quero um marido alemão!

    Curtir

  9. Ivana 8 de março de 2015 / 23:17

    Vivi por 3 anos a amargura da separação (q durava 4, 5 meses) e a doçura indescritível de cada reencontro. Vc traduziu lindamente esse sentimento!

    Curtir

    • pammiksch 9 de março de 2015 / 13:42

      Muito obrigada, Ivana!
      Fico feliz que você tenha gostado e mais feliz ainda que essa fase já tenha passado pra você também!
      Um beijão pra vocês ❤️

      Curtir

Fala que eu te escuto ( e respondo também)!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s